Mostrar 172 resultados

Assuntos
Termo de Assuntos Nota de âmbito Resultados
Turma feminina 1
Cine-pax 1
Música 14
Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira 14
Licenças de uso e porte de arma 0
Licenças de caça 0
Licenças de Construção 0
Licenciamento (3) 1
História Local 1
Remexido
  • Remexido ou Remechido (como se escrevia no século XIX), nome por que ficou conhecido José Joaquim de Sousa Reis (Lagoa, Estômbar, 19 de Outubro de 1797 - Faro, 2 de Agosto de 1838) foi um célebre guerrilheiro algarvio, que nasceu no Algarve em 1797, em Estômbar. Casou-se em São Bartolomeu de Messines. Era um homem de posses, Capitão de ordenanças, além de exercer a função de Recebedor do Concelho. Servindo D. Miguel, e lado a lado com o brigadeiro Cabreira, derrotou o famoso Sá da Bandeira na batalha de Sant’ Ana. Estava-se na época da guerra civil portuguesa, entre de miguelistas e liberais de qual ele era acérrimo defensor dos primeiros. Quando o 1.º duque da Terceira invadiu o Algarve, no decurso da Guerra Civil portuguesa, o Remexido escondeu-se na serra algarvia[1], onde, recorrendo a uma táctica de guerrilha e apoiado por serranos, venceu sistematicamente as tropas invasoras. Segundo lenda criada posteriormente pelos liberais victoriosos, diversos crimes foram cometidos em seu nome e rapidamente a má fama se teria espalhado pelo Alentejo. Contudo, estudos recentes parecem ilibá-lo de tais crimes e acções ignominiosas. Em 26 de Julho de 1833, na então vila de Albufeira, é o responsável pelo massacre aos presos liberais, deixando simplesmente o processo das sevícias e outros actos violentos seguir o seu curso. Devido a este massacre inqualificável, a vila fica sendo conhecida por «Vila Negra». De facto, no final da guerra, em lugar de lhe concederem o perdão a que, nos termos da Convenção de Évora-Monte, tinha direito, as novas autoridades liberais queimaram-lhe a casa, açoitaram-lhe publicamente a mulher com a palmatoria (castigo comum na época atribuído às prostitutas) por não revelar onde ele se encontrava escondido e, por fim, mataram-lhe um filho de 14 anos. Acalorado mais ainda contra tal crueldade, lutou com outros portugueses fiéis ao regime absolutista como podia e jamais se entregou, mantendo a sua acção de guerrilha ainda durante vários anos. Procurava castigar os que os perseguiam, mas perdoava aos soldados que lhe caíam nas mãos, porque desempenhavam um serviço que eram obrigados a fazer. Em 26 de novembro de 1836, D. Miguel nomeou simbolicamente Governador do Reino do Algarve e Comandante em Chefe Interino de Todas as Tropas Realistas, Regulares e Irregulares do Exército de Operações do Sul o chamado
1
Personalidade histórica (1) 0
História Medieval 0
História Contemporânea 1
História Moderna 0
Ciências Humanas (6) 0
Procissões 2
Obras particulares 115
Urbanismo (1) 146
Foral 1
Abastecimento de água 1
Resultados 1 a 20 de 172